sábado, 22 de novembro de 2008

Contos incompletos

Ainda doía de uma forma tão viva, que Vasilli acostumara-se a confundir as janelas com os corações.

Sentia a poesia como uma verdadeira oração, uma oração viva, que clamava impiedosa sob o ardor de uma memória e de um desejo:

"Sou um pingo de chuva... Emoldurado pela cor dos teus olhos... Sou um pedaço de nuvem apimentado pelo ardor da tua boca. Sou um raio de luz. Perdido na curva do teu corpo. Sou uma folha ao vento, Cheio de ti, completo de tu. Sou um cálice transbordando paixão. Sou um efeito, um acidente, um tufão... e tu... És uma força da Natureza!"

A folha de papel envelhecia, a poesia continuava viva e resplandecia apenas pelas bordas do cotidiano. E Vasilli quando olhava, olhava para o reflexo sob a gota d'água que brutalizada pelo clima e pelos olhares dos sujeitos, escorria por sob o vidro da janela e emudeciam, os dois, ele e a janela.

As terças, as quartas, e as segundas, não cabiam, não se conformavam, e volta e meia a poesia retornava, na esquina, no banho de manhã, no café da tarde, ou simplesmente voltava: "emoldurada pela cor dos teus olhos" como um pedaço de nuvem.

Vasilli em sua esperança crônica de início de semana, costumava enganá-la com algo que chamam costumeiramente de racionalidade, mas era em vão esconder si mesmo em filas de banco, tarefas e compromissos profissionais ou até mesmo nas detestáveis e não menos odiosas frases de efeito de nove segundos. Detestáveis profissionais do cinismo ou consumidores de alguma fôrma-existência descartável que terrívelmente funciona! Funciona! E por ela funcionar, que cento e setenta e cinco pessoas podem se espremer num vagão dentro do metrô, onde cabem apenas noventa.

Adorava o céu de sua janela. E era seu céu. Um céu particular, como todos os céus o são.

Um comentário:

Boneca sem manual disse...

melancólico e bonito.
A fôrma que funciona me lembrou um conto do Caio Fernando Abreu q li essa semana. Mas não sei se só me lembrou porque estou com o conto transbordando na cabeça e tudo me lembra.
Gostei mas do que do outro, mas tb acho q é só pq esse ficou menos pop.
Sei lá, já me perdi nas divagações.
beijo.