segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Pesadas Perdas

Edith Piaf perdeu Marcel Cerdan. E compôs a música mais bonita sobre o amor e que se possui notícia em língua francesa.

Florbela espanca apaixonou-se e frustrou-se repetidamente, até seu suicídio, mas seus poemas não se suicidaram, ainda vivem, apesar de tristes.

Ian Curtis se matou, pois amava duas pessoas, menos a si próprio, ainda deixa alguma tristeza em forma de música, tristeza que guardou aquele momento, e a si mesmo dentro de alguns acordes poéticos .

Augusto dos Anjos perdeu um filho e morreu jovem de tuberculose.

Fernando Pessoa foi-se triste. E em algum lugar da cidade, alguém chora por um namoro abortado; que nem começou.

Extremamente dependentes da tristeza alheia, nós vivemos, assim, olhando a tristeza alheia, apenas para nos compensar a felicidade que afirma-se sob o pesado véu; este véu, sempre do outro.

5 comentários:

raphael m. disse...

Muito triste.
Mas encantador.

Priscila Ramos disse...

Non, rien de rien... Non je ne regrette rien...

Amo Edith Piaf. E assim eh a vida, não é mesmo? Da dor extraimos as coisas mais belas...

Rosa disse...

Cada dia mais exímio,com as palavras!
Belas linhas!

Pri disse...

dor?

e o que é a alegria se nao alienação?

:p

Clarice A. disse...

gostei muiuto , sabe q me identifiquei né? saudade!