domingo, 1 de junho de 2008

Agora ele entendeu

Te amei tão vigorosamente...
E eram cinco minutos...
Que eu transformei em quinhentos!

Mesmo em quinhentos, diziam os sábios...
Não é tempo suficiente para amar ninguém

Por que quando se ama, o tempo parece não passar
Mesmo para os céticos, ou para os que constróem
Ou adiantam relógios

Constróem relógios e constróem amores
Inventam fazendo, rejeitam as cores/dores/humores
Ou toda a palhaçada que rima

Por que cinco minutos são suficientes
Para escrever uma poesia ruim

Mas não para amar...

Por que ninguém escreve poesias ruins sobre o amor
Quando realmente ama

Um comentário:

JH disse...

bravo!

sempre há uma forma nova de falar do velho amor...