segunda-feira, 19 de novembro de 2007

10 dicas para o pseudo-escritor

1 -Torne uma rotina

Mesmo que não tenha nada própriamente para ser escrito. Aguçará sua criatividade. Isto no mínimo lhe deixará apto a utilizá-la em quaisquer momentos, de alta ou baixa criatividade.

2 - Não desperdice boas idéias

Elas vem e vão, mas podem se perder caso você não anote, não repita para si mesmo, ou não aproveite este delírio dionisíaco ESCREVENDO. Não deixe para depois, mesmo que isso lhe faça escrever em guardanapos, panfletos, jornais, etc. Você pode ficar com fama de esquizofrênico, mas lembre-se, situações deste tipo são fartos materiais literários! Quanto a esse papo de "depois eu lembro" simplesmente não vai funcionar.

3 - Tente variar

Haikai's, poesias, contos, crônicas, letras de música, pintura a óleo, etc. Descobrirá que pode ser muito bom em determinada categoria e extremamente medíocre em outras.

4 - Leia, leia muito

De preferência os clássicos, mas contemporâneos com talento também são bem vindos. Leia os anônimos, leia o que seus amigos escrevem, conhecidos, lhe dará mais idéias, lhe mostrará sua distinção, sua paridade, etc. E também lhe ajudarão a não excrever açin.

5 - Utilize o instrumental que tiver

Papel, máquina de escrever, computador ou o que quer que seja, use! Utilize o equipamento da maneira que lhe aprouver. Há pessoas que funcionam muito bem com o computador, mas simplesmente travam com uma caneta na mão. O inverso também pode ser verdadeiro.

6 - Conheça seus mecanismos indutores

Você precisa saber em quais momentos consegue escrever melhor e em quais geralmente não dá certo. Drogas que afetam a percepção podem ser bem vindas, desde que isto, a longo prazo não condicione seu poder de escrita à este tipo de percepção alterada(ou acabe com seu fígado em troca de um livro que meia dúzia de pessoas irá realmente se interessar). Qualquer coisa que altere sua percepção(como um dia extremamente ruim ou o contrário) pode ser uma boa forma de mecanismo indutor da escrita.

7 - Não racionalize o que escreve

Escreva catárticamente. Isto inclui não ligar para erros gramaticais e para jogadas de estilo. Você pode corrigir tudo depois de terminar; ás vezes é importante apenas seguir a onda, se esperar muito você pode simplesmente "travar". Não racionalize sua escrita. Deslizar inclui, escrever sem medo. E escrever sem medo passa por não escrever para construir uma bela vitrine, mas para colocar esses seus fantasmas para fora.

8 - Não fique num tablado, muito menos numa caverna

A arrogância e os elogios matam um pseudo-escritor. Ou ele se envolve tanto com os elogios, que tenta "repetir" o que agradou, ou se acha tão medíocre a ponto de desmerecer tudo o que escreveu(a falta de confiança e de auto-estima mata quaisquer futuros brilhantes). O primeiro caso é apenas o segundo sem máscaras, mas brincadeiras a parte, os elogios podem matar um bom escritor, que tentará sem sucesso repetir fórmulas de sucesso, que invariávelmente o levarão a bancarrota criativa. Se quer prejudicar alguém, elogie-a demasiadamente. Se quer terminar com quaisquer estímulos, o leve a um sarau organizado por estudantes de Letras.

9 - Envolva-se com material literário vivo

Isto inclui situações das mais variadas. A literatura pobre é aquela que se origina de um escritor com uma vida medíocre, isto inclui pessoas que só conseguem escrever livros de auto-ajuda ou best-sellers de administração de empresas. Um escritor mediano, é alguém que tem mais do que contar sobre sua própria vida do que própriamente a escrever. A experiência do escritor é o seu melhor material literário. A diferença entre escritores e os egocêntricos, é que os segundos escrevem auto-biografias, os primeiros, "disfarçam" e chamam de literatura.

10 - Esqueça os manuais

Alguém que precisa ler manuais para escrever, definitivamente ficará ad infinitun na condição de pseudo-escritor. Mas e quem liga, não é mesmo? Consumimos muita arte por que produzimos pouca arte. E isto também inclui a literatura.

4 comentários:

Fleur de Lyz disse...

Eu sempre achei acaso interessante.

E não é que suas dicas para o pseudo-escritor me são úteis?

Confessed disse...

11 - Nunca esqueça que fotógrafos têm uma capacidade incrível de lembrar-se de seus layouts e que, por isso, ficarão muito transtornados ao ver suas composições cromáticas serem utilizadas de maneira tão minuciosamente inspirada.

Mas enfim... bom layout, anyway. Bom gosto. Ha!

Confessed disse...

Mas ah... como acabei de lembrar de que você, inegavelmente, lembra-se daquele Blog meu, veja aqui as fotos que deram origem ao problema todo...

http://www.flickr.com/photos/alyssongomes/

Enjoy.

Mr. Durden Poulain disse...

Caro Alyson. Primeiramente não me lembro de seu blog e muito menos da composição cromática deste. Na verdade nem sei quem é você própriamente falando.

O modelo do meu blog foi feito da maneira mais amadora possível, por meio dos modelos prontos que o blogger disponibiliza e a composição de cores obedeceu apenas critérios de gosto estético pessoal.

Creio que se há alguma semelhança com algum blog isso não obedeceu nenhuma tentativa consciente de plagiar algo, até por que estou muito mais interessado no conteúdo do que eu acesso do que própriamente a forma.

Até mais.