quinta-feira, 12 de abril de 2007

Respondendo aos comentários

"Cambada de Vagabundos. A Polícia tinha mais era que descer o cacete nesses meliantes invasores. Estão pensando o que? Querem roubar na mão-grande? Ganharam foi o cacetete da PM. Parabéns a Justiça carioca que garantiu a reintegração de posse aos seus devidos donos." (anônimo)

"Em primeiro lugar eu não gosto de quem se esconde no anonimato para se expressar, usam pseudônimos ridículos. ACORDE "MR DUDEN"!! A ÉPOCA DA DITADURA JÁ ACABOU!! NÃO PRECISA MAIS SE ESCONDER!

Eu não consigo entender porque as pessoas não conseguem argumentar sem ofender os outros, sem agredir, sem injuriar. Qual é o problema? o vocabulário é pobre, não sabe argumentar dignamente? " hipócritas oficiais de justiça, juizes assassinos, promotores da miséria..." é muito fácil agredir os outros com palavras agora, não? gostaria de saber se "Mr Duden" teria tido a mesma "coragem" se estivesse diante de tais autoridades, acredito que é por esta razão que se mantém no anonimato, por pura covardia. AGORA, VEJA BEM, "Mr Duden", eu sou solidária a estas pobres pessoas, o Estado deveria cumprir o que está na nossa Constituição, mas, não cumpre, nós, como cidadões, devemos, sim, nos mobilizar para que um dos objetivos fundamentais do Estado, que é construir uma sociedade livre,justa e solidária se torne realidade, escolhendo melhor os nossos representantes... AGORA, O QUE EU LI FOI MUITO BLÁ BLÁ BLÁ. Me responda Mr Duden, o que você tem feito efetivamente para ajudar as pessoas carentes, além de ficar tentando desacreditar a Justiça, denegrir a imagem das autoridades, incentivar a violência e com isto enfraquecer a democracia, a mesma democracia que permite que o "senhor" expresse de modo tão vulgar as suas opiniões. (Verônica Lacerda)

Normalmente não perco tempo respondendo comentários. Poderia dizer que tenho mais o que fazer. Mas a resposta mais adequada é: escolho bem o que quero fazer. Pois bem, abrirei uma breve exceção.

Quanto ao primeiro comentário, está claro pelas declarações recheadas de conotações sexuais("mão grande", cacetete) que o referido sr. anônimo(anonimato -> voyeur) está repleto de couraças caracteriológicas[1] e situa-se políticamente no campo da direita ou extrema-direita e tem uma obsessão fálica latente. Aliás caro amigo, quando você cita cacetete, deve estar referindo-se a cassetete com dois "S", cacetete com "C" é uma derivação sufixal de cacete, atribuição fálica/morfológica da lingua portuguesa ao órgão sexual masculino. Confusões esclarecidas vamos ao próximo comentário que é muito mais divertido.

Primeiro Verônica, seu nome, Verônica Lacerda significa tanto para mim quanto Arnaldo Pinto, Bráulio Martins ou quaisquer nomes esdrúxulos que poderíamos inventar nos baseando em nosso amigo anônimo voyeur. E por que Mr. Durden Poulain deveria significar menos do que Verônica Lacerda? Como diz o grande personagem "V" da Graphic Novel "V de Vingança", "Atrás dessa máscara há uma idéia e idéias são a prova de balas".

A ditadura realmente já acabou, a política sim, mas serviços de inteligência ainda existem(quem me garante que seu nome não é Arnaldo Bocaiúvas, inspetor da central de inteligência de alguma delegacia federal dos rincões deste Brasil?) e enquanto houver Estado e capitalismo, haverá controle, disciplina e repressão.

Quanto à argumentação que eu utilizei no texto, o nível desta é apropriado a argumentação que os especuladores e burocratas utilizam para expropriar família de trabalhadores de suas casas: é algo bem chulo, bem baixo mesmo, sem embasamento ético nenhum. Caso eu quisesse lhe convencer de algo, preferia lhe levar pessoalmente à uma ocupação urbana, um assentamento rural de sem-terras, uma aldeia indígena espoliada por empresas capitalistas, uma favela, um gueto sul-africano, uma comunidade quilombola oprimida... fatos falam melhor do que argumentos normalmente.

Quanto a ter coragem de me expor... Bem o que eu preciso provar para você quando sei exatamente quem sou e o que quero? Talvez eu satisfaria nosso inspetor Virtual, o Arnaldo Bocaiúvas, dizendo que EU ESTAVA LÁ e fui ameaçado de prisão por me indignar com extrema e tamanha desigualdade, talvez isso o conformasse e desse algumas provas virtuais em algum futuro processo criminal(ou seria muita neurose de minha parte?), mas talvez eu pudesse dizer que eu JAMAIS ENTREI em alguma ocupação, sou uma pessoa ordeira, que apenas aperta botões nos dias de semana e volta para casa para assistir algum programa global como um imbecil controlado, apenas um blogueiro indignado de final de semana e que nunca esteve nesta tal Ocupação, que li tudo pelos relatos que me chegaram no mídia independente(http://www.midiaindependente.org) Talvez... Talvez... Afirmar qualquer coisa é perigoso nesta ditadura do capital em que vivemos...

Quanto a escolher melhores opressores, digo representantes, realmente não preciso argumentar, por que há clássicos e autores muito mais qualificados para demonstrarem a falácia da democracia representativa do que eu, Murray Bookchin, Cornelius Castoriadis, Bakunin, Proudhon, Chomsky, Malatesta, Kropotkin, etc, etc, etc.

O que eu fiz pelos carentes cara verônica é dar amor e carinho. Namoradas, amigos, amigas... Pessoas carentes precisam de carinho e amor não?

Quanto a pessoas oprimidas, as que você em sua lente classe média de respeito as instituições e ao E$tado enxerga como carentes(este verbete hipócrita e hierárquico a priori) estas estendemos um braço na luta e caminhamos lado a lado por uma sociedade sem classes, lutamos juntos, aprendemos, construímos a luta, com autonomia e liberdade ao invés de doarmos migalhas de algum almoço dominical para os "sujinhos" da praça ou divirmos um big mac sem fritas após a missa dominical com um indigente na semana santa: a atitude padrão da caridade pseudo-cristã.

Eu jamais denegri a imagem das autoridades ou desacreditei a justiça. Estas já estão degeneradas o suficiente para que eu, um simples cidadão consiga piorar seu estado pútrido! Os fatos falam por si só.

Quanto a democracia, esta é forte e VIOLENTA o suficiente quando lhe convém na hora de expulsar moradores sem-teto, "varrer" mendicantes para maquiar situações de pobreza ou exterminar os pobres em comunidades e favelas! Não precisamos incentivar algo que é inerente à própria existência do capitalismo: VIOLÊNCIA E OPRESSÃO.

Sim, esta tal democracia permite por hora que eu fale, que eu esboçe um mero sussuro controlado, vigiado... Mas a história prova que quando tais vozes de indignação tornam-se pernicivas ao poder este não mede esforços para recorrer a atitude mais utilizada pelo capitalismo quando a democracia não dá conta de reprimir os descontentes: O FASCISMO!!!

Espero ter conseguido me fazer entender.

[1] O conceito é oriundo das obras do psicanalista Wilhelm Reich.

4 comentários:

Timóteo Pinto disse...

Esta tal "Verônica Lacerda" está a mil km da realidade. A ditadura "acabou"? Só se for pegadinha do 1o de abril!
Lembremos do conflito de Eldorado dos Carajás, resolvido democraticamente (sic) pela Polícia Militar; do massacre do Carandiru - que resultou em mais de 111 mortos, a despeito dos números oficiais. Lembremos da subserviência das instituições democráticas frente aos orgãos de controle econômico-financeiro (FMI, BID, OMC etc), entre outros tantos fatos tristes. Seria ainda preciso lembrar que as técnicas de tortura perduram ainda hoje nos "porões" da nossa afável democracia, tudo isso escamoteado por um teatrinho de fantoches democrático. Por trás das câmeras da mídia e dos sorrisos forçados das autoridades nacionais, existe todo um estado de calamidade, das prisões às relações trabalhistas precarizadas (inclusive relações de trabalho escravo ou semi-escravo!). Mas seria demais se culpássemos a democracia. A democracia é um sistema de valores invertidos, onde "liberdade é escravidão" (lembrando Orwell), onde a liberdade de vender nossa mão de obra - nos sujeitando ao domínio de outrem - é erigida em Liberdade Oficial.

Anônimo disse...

essa tal de Verônica deve ser uma ricaça esnobe fútil q ñ sabe oq é miséria, pois deve fazer bom uso do capital só comprando coisas p aumentar seu próprio ego. como ela pode afirmar q vc nunca esteve lá, ela está totalmente equivocada de tudo q escreveu. no mínimo abriu seu blog, achou interessante e sentiu-se mais "culta" em ler coisas q fizessem aumentar o seu "conhecimento", pois pelo q vejo ñ tem o menor, a ñ ser meramente superficial, "coisa" q ela deve saber de có e saltiado.
tá de parabéns Mr. Durden, só as pessoas q sabem e convivem c o seu trabalho q podem realmente contestar algo.

Anônimo disse...

Ei, soy yo! Tatá! Caraca, de todos os tempos verbais, eu to no pretérito com esses comentários citados do texto, ou seja, eu to passaaaaaaaadaaaaaa! É incrível a ausência de atividades - físicas e mentais. Isso é que é o verdadeiro "não ter nada para fazer". Se eu fosse vc apagava e mal lia! Bjos=***

Anônimo disse...

Se bem que, se vc tem paciência para divulgar educação e conhecimento, é ótimo para a humanidade! Becitos=*